sábado, 9 de outubro de 2010

A pressao da perfeiçao.

Toda a gente sofre pressoes. Infelizmente nao somos imunes a elas. Porque é que temos de ser todos iguais, querer as mesmas coisas e querer ser e fazer tudo aquilo que todos fazem. O medo de ser diferente é avassalador.
Porque seremos nos inferiores se nao tivermos as mesmas "coisas" que os outros. A mesmas vidas, com diferentes "actores".
Porque e que nao podemos ser como quando nos viamos em criancas. A liberdade de ser-mos nos proprios. Hoje nao se tem tempo ( ou nao se quer ter) para sequer pensar-mos em quem somos. Quem sou eu? Sera que eu me vejo como realmente sou?

domingo, 5 de setembro de 2010

Medos...

EU quero acreditar. Quero acreditar cegamente. Desesperadamente. Nao naquilo que sinto. Disso tenho a certeza. Quero acreditar em TI.
Quero acreditar e nao ter medo. Medo daquilo que me poderas fazer. Sem ou por querer. Nao do dia a dia ou das dificuldades, a vida e feita disso mesmo. Medo de me ter tornado vulneravel. Vulneravel a TI. Medo de como me faças sentir no Futuro. Porque agora me fazes sentir tao bem. Nao sei jogar, nem sei fingir ser aquilo que nao sou; quando amo torno-me vulneravel. Fico mais insegura ainda. Sem mascaras nao e? Aquilo que sinto neste momento e isto. Quero e sei que vou acreditar em ti. Quero-te. Nao sei se vai durar ou se te vais desiludir quando vires que nao sou perfeita mas neste momento quero-te a TI sem pressas ou sem pressoes. Quero tudo aquilo que me das para eu te poder dar tudo de mim. Quero esquecer as marcas do passado que me tornaram tao melindrosa para poder estar contigo como quero. Vou deixar de ter medo.

sábado, 4 de setembro de 2010

O Amor e mais forte que o Orgulho?

Para mim e. E isso manifesta-se de muitas formas. O que sera o orgulho, senao uma forma de amor-proprio em si...
Aprendi isto ha pouco tempo ou talvez o tenha sempre sabido e nunca o quis admitir.
Tudo se transforma principalmente a forma de se amar alguem.
A magoa que se julga intransponivel desaparece e fica uma forma de amizade. Aprende-se a perdoar sobretudo a nos proprios por nos tornar-mos vulneraveis a alguem. Aprende-se a perdoar apesar de nem se querer ,pois o orgulho nao quer deixar, o que se revela uma debil restea de auto-controlo. E ao perdoar da-mo-nos mais uma chance : de nos amarmos e de principalmente amar-mos a alguem de novo. Nao como ama-mos antes, mas de uma forma sublimemente diferente. E tudo comeca novamente...